Qual médico cuida da depressão?

O Brasil é considerado o país mais ansioso e estressado da América Latina. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), entre 2008 e 2018 o número de pessoas com depressão aumentou 18,4%.  Esse número corresponde a 322 milhões de indivíduos, ou 4,4% da população da Terra.

No Brasil, 5,8% dos habitantes – a maior taxa do continente latino-americano – sofrem com o problema.  

O risco de ter depressão é maior entre as pessoas com histórico da doença na família, maus hábitos comportamentais também podem favorecer uma crise ou agravar ainda mais um quadro já em desenvolvimento.

Neste post vamos falar um pouco sobre a depressão e também qual médico qual médico cuida da depressão.

O que é depressão?

A depressão é uma doença psiquiátrica que afeta o emocional e pessoa passa a apresentar tristeza profunda, falta de apetite, de ânimo, pessimismo, baixa auto-estima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si.

É muito importante o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento correto.

A depressão é considerada pela OMS como o "mal do século". A depressão também  provoca ausência de prazer em coisas que antes faziam bem, grande oscilação de humor e pensamentos. Esses sentimentos que podem resultar em comportamentos e atos suicidas.

O tratamento da depressão é feito com acompanhamento de médico profissional, por meio de medicamentos, e acompanhamento terapêutico conforme cada caso. O apoio da família é fundamental.

As pessoas que passam por depressão podem, além da sensação de infelicidade crônica e prostração, apresentar baixas no sistema de imunidade e maiores episódios de problemas inflamatórios e infecciosos.

A depressão, dependendo da gravidade, pode desencadear, também, doenças cardiovasculares, como infarto, AVC e hipertensão.

Qual médico cuida da depressão?

A depressão é tratada principalmente por médicos e psicólogos. No entanto, o ideal é procurar um psiquiatra (médico com foco em transtornos mentais) para que ele diagnostique o problema e sua severidade e, então, recomende os tratamentos mais adequados para cada caso.


O que causa depressão?

Existem algumas evidências que apresentam alterações químicas no cérebro da pessoa com depressão, principalmente com relação às substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células.

Há processos que também ocorrem dentro das células nervosas e estão relacionados. Os acontecimentos psicológicos e sociais muitas vezes são conseqüência e não causa da depressão.

É importante destacar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição (provavelmente é genética).

Infelizmente, aproximadamente uma em cada cinco pessoas no mundo apresentam o problema em algum momento da vida.


Sintomas da depressão

Nos tópicos anteriores já falamos um pouco sobre alguns sintomas relacionados a depressão. Porém, além das alterações de humor ou irritabilidade, ansiedade e angústia a depressão possui diversos sinais e sintomas, que podem ser isolados ou somatizados.

  • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia;

  • Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas;

  • Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis;

  • Desinteresse, falta de motivação e apatia;

  • Falta de vontade e indecisão;

  • Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio;

  • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento;

  • Diminuição do desempenho sexual e da libido;

  • Perda ou aumento do apetite e do peso;

  • Insônia: dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial)

  • Despertar matinal precoce - geralmente duas horas antes do horário habitual

  • Aumento do sono - dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo;

  • Dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarreia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros.

Como saber se eu tenho depressão

Caso você apresente alguns dos sintomas listados acima, pode ser que esteja passando por um processo depressivo. Porém, fique muito atento!

Só uma avaliação detalhada do médico pode diagnosticar a depressão e diferenciá-la de outros problemas. Por isso, o médico psiquiatra é o melhor especialista para cuidar da depressão, porque está habituado a lidar com esse distúrbio no seu dia a dia.

Porém, é possível que, durante sessões de psicoterapia, o psicólogo identifique a presença da depressão.

Como falamos no início deste tópico, o diagnóstico da depressão é clínico e só pode ser dado por um psiquiatra. Durante a consulta com o psiquiatra, serão feitos alguns testes e questionários, que podem comprar ou não o distúrbio.

No momento da consulta, o psiquiatra fará alguns levantamentos, como histórico do paciente e familiares, e poderá pedir alguns exames laboratoriais específicos para se chegar ao diagnóstico.

A depressão também pode estar associada a outros transtornos psiquiátricos e tem níveis de intensidade. Pode ser leve, moderada ou grave. Cada paciente precisa ser avaliado individualmente e cada caso recebe um diagnóstico e é encaminhado para tratamento específico.

***

Agora você já sabe que o médico que cuida da depressão é o psiquiatra. Para marcar um consulta com psiquiatra em Natal, é bem simples. Clique aqui e pronto, mande sua mensagem para agendar o melhor horário.


O Centro Médico Saúde da Família tem duas unidades, uma em Igapó e outra na esquina da Bernardo Vieira com Prudente de Morais.

CLIQUE NA IMAGEM E MARQUE SUA CONSULTA

CLIQUE NA IMAGEM E MARQUE SUA CONSULTA